Empreendedorismo: Começar um negócio tornou-se uma alternativa para quem não encontrou emprego devido à crise

Uncategorized

Você passa boa parte da sua vida trabalhando, não vale a pena investir em algo que não traga felicidade.

De acordo com dados do IBGE, 2016 foi o ano do desemprego, cerca de 12,5 milhões de pessoas enfrentaram a realidade de perder o trabalho. A busca por uma vaga ou recolocação no mercado de trabalho virou um martírio e as noticias não são muito animadoras, de acordo com uma pesquisa divulgada no Relatório Focus, serão ainda mais dois anos até que o mercado se estabilize.

Nem as vagas temporárias tiveram vez em meio a crise e com essa realidade a maioria dos currículos enviados ficaram perdidos nas caixas de e-mail das empresas e com isso as pessoas diminuíram a busca por uma vaga, além da escassez, a qualidade dos postos de trabalho e salários caíram de forma brusca. Muitas dessas pessoas que estão a procura de uma vaga têm um enorme potencial para se colocar no mercado de trabalho.

 

Empreendedorismo ganha força

Diante desse cenário, uma grande parcela da população resolveu colocar seu lado empreendedor em prática, começando um pequeno negócio, muitas vezes a partir de casa, a boa noticia é que mais da metade conseguiu se manter e possui planos de expansão, porém para que o negócio não desande antes do primeiro ano é preciso levar algumas questões em consideração.

Invista em algo que domine ou que tenha um conhecimento avançado, seja através de experiência na prática ou cursos, um dos grandes motivos para negócios que não chegam ao segundo ano é aventurar-se em algo que não conhece.

Gerenciamento de valores – nenhum empreendimento sobrevive se não tiver um lucro mínimo, essa é a base. A regra básica é: As margens de lucros precisam ser suficientes para cobrir as despesas fixas. Inicialmente esse deve ser o foco do empreendedor, até que o negócio esteja gerando lucros significativos.

Gerencie de forma eficiente o fluxo de caixa, para um crescimento eficaz é necessário utilizar um caixa, controle entrada, saída, investimentos e muito cuidado para não se endividar e acabar consumindo todo o lucro com juros.

Seus clientes em primeiro lugar – o cliente deve ser sempre bem tratado, ele é seu maior cartão de visitas, ele precisa estar satisfeito com o valor cobrado em relação ao serviço ou produto, retornar e indicar seu negócio para os amigos. Use as redes sociais a seu favor, monitorando o que os seus clientes pensam a respeito do serviço prestado e ao menor sinal de insatisfação ligue o sinal de alerta.