Empresários que trabalham pela internet, não sentem os impactos da crise econômica 

Posts

Existe alguns setores da economia que ainda não sentiram os efeitos da atual crise que ainda assola. Um desses setores é o marketing digital e as muitas startups que estão surgindo em grande número. O segredo é ser criativo, não cair na fantasia de que um emprego público é a solução pra tudo e em vez de só pensar nos problemas, pensar em soluções para oferecer o que ainda não tem no mercado.

Essa crise financeira não afetou as startups e muitos freelancers que trabalham pela internet, pelo contrário, no caso do consultor de marketing digital, Gutemberg Fernandes, passou a ganhar mais dinheiro com a crise. Ele trabalha bastante e é um dos novos empresários que usam o grande aporte que a internet fornece para prestar serviços aos clientes.

“Muitas pessoas deixaram seus empregos e procuraram abrir o seus próprios empreendimentos, e nisso elas nos procuram para desenvolver os seus sites e as suas estratégias de marketing digital, para elas obterem os resultados desejados”, diz Gutemberg.

Como a crise não tem previsão para acabar tão cedo, Gutemberg teve que contratar uma funcionária. Os dois fazem sites e conquistaram 20 clientes. Ele largou o emprego nas Esplanadas dos Ministérios pra trabalhar no mundo digital e ganha três vezes mais hoje em dia.

“Não me arrependo, até porque eu tenho como ter a minha liberdade de trabalhar com o que eu gosto, com o que eu quero e poder fazer o meus horários também. Isso é muito prazeroso para o empreendedor”, explica Gutemberg.

Gutemberg ganhou mais dinheiro saindo do emprego público. Já os concursos deram dinheiro para o desenvolvedor, Fernando Kill. Ele criou um aplicativo que rastreia onde tem inscrições abertas de acordo com o perfil do concurseiro, como a formação e o local de trabalho. O Fernando ganhava R$ 3 mil por mês com publicidade dentro do aplicativo. A ideia fez tanto sucesso que uma empresa portuguesa comprou o app.

“Eu acabei investindo em um apartamento com o dinheiro que eu recebi da venda do app. Vale muito a pena, mas é aquele negócio: tem que ter muito trabalho, muita dedicação e eu com certeza pretendo lançar um outro app no mercado”, diz Fernando.

O desafio de trabalhar com a internet é justamente tirar a ideia do papel e colocar no computador. Isso pode levar meses até o negócio dar lucro. O jovem empresário, Carlos Guerra, criou uma espécie de sites de compras e demorou quase um ano para sair do vermelho. Hoje ele vive com o dinheiro da empresa virtual. Carlos teve a ajuda de uma empresa que apoia outras empresas em desenvolvimento e hoje virou sócio do site.

“O brasileiro está cada vez mais conectado. A quantidade de pessoas que compram smartphones hoje em dia cresce muito, então a tendência é que esse mercado continue a crescer. Nós não sentimos um impacto da crise, muito pelo contrário, nós continuamos crescendo em um ritmo que nós já esperávamos”, diz Carlos.

 

Veja também: Filme mostra a vida dos empreendedores digitais.