Mais empreendedores poderão participar do Simples Nacional v

Posts

Image result for Simples Nacional

As mudanças feitas pelo governo também pegaram em cheio os empreendedores e os pequenos empresários. As novas regras alteradas são sobre a participação desses empreendedores no Simples Nacional, ou agora Supersimples. Esse é um programa do governo que permite aos pequenos empresários pagar todos os impostos de uma forma única com um boleto, facilitando esse funcionamento e reduzindo os custos para os empreendedores. Ao todo, as mudanças feitas no Supersimples foram três.

A primeira alteração foi no limite máximo de faturamento permitido para quem participa do Simples Nacional. Como todo mundo já sabe, esse programa não é aberto para todas as empresas, pois ele tenta beneficiar os micro e pequenos negócios. No entanto, com o limite de faturamento maior, mais empresas deverão participar do programa. Os limites de faturamento anuais tiveram as seguintes alterações:

MEI (Microempreendedor Individual) – de 60 mil para 81 mil reais;

Microempresas – de 360 para 900 mil reais;

Pequenas empresas – 3,6 milhões para 4,8 milhões de reais.

“A categoria esperava que o teto chegasse a 7,2 milhões de reais, mas não foi o que conseguimos. De qualquer forma, o aumento é bastante positivo porque dá um fôlego para as micro e pequenas empresas que vinham enfrentando uma carga tributária muito elevada sem a atualização dos valores”, disse o conselheiro do Conselho Regional de Contabilidade de São Paulo – CRC-SP, Sebastião Luiz Gonçalves dos Santos.

A segunda alteração no Simples Nacional, permite que as empresas possam parcelar as suas dívidas em até 120 meses. Isso irá permitir que os empresários que estão endividados com os impostos, possam desfrutar de um prazo maior para quitar a dívida. O parcelamento foi de 60 para 120 meses, mas só será permitido para parcelas a cima de 300 reais.

A terceira mudança está no investir que compõe o negócio, e mais especificamente no “investidor anjo”, conhecido por apoiar novas empresas como as startups. A nova lei diz que o investidor que quiser apoiar uma nova iniciativa, não precisará ser um sócio propriamente dito. Essa nova regra deverá aumentar os investimentos em micro e pequenas empresas, fazendo com que novos empreendedores surjam no mercado.

“O fato de o investidor poder entrar apenas com o capital sem se preocupar com os trâmites da empresa, dá mais segurança jurídica para ele”, disse Sebastião.